9 de abr de 2016

6 de abr de 2016

O que é Cultura de Paz?

Todos os projetos do Instituto Nelson Merola partem de um princípio muito difundido nos dias de hoje, que quase todo mundo já ouviu falar, mas que a maioria das pessoas não sabe o que realmente significa.

Afinal de contas, o que é "Cultura de Paz"?

Segundo a Unesco:
"Em lugar da cultura da solidão, hegemônica em um país que primava pela concentração de renda, taxas elevadas de desemprego, baixo poder aquisitivo do seu povo e privilégios da classe política, inseriu-se na consciência do cidadão a cultura da solidariedade. No lugar da competição que premia o indivíduo, a solidariedade que divide responsabilidades e partilha conquistas. Com distribuição de renda, ampliação de oportunidades, mais recursos à população e exigência aos seus representantes, o povo brasileiro participa efetivamente de sua história e de seu destino. A cultura de paz, assim, ao mesmo tempo, induz consciências e as influencia em direção a um mundo mais tolerante e, nesse caso, a uma nação mais solidária. No contexto da paz como cultura, inovações são permitidas e ideias surgem para responder ao novo momento em todas as áreas do saber popular e do conhecimento científico. Aqui, referir à segurança é, necessariamente, referir à segurança e cidadania..."

Em todos os nossos projetos de capacitação profissional incluímos a Cultura de Paz como parte do currículo e a consideramos disciplina fundamental para a obtenção dos nossos diplomas (que são sempre em parceria com instituições renomadas como o Ministério da Cultura e SENAI). O desenvolvimento pessoal é um dos resultados práticos dessas oficinas em que primamos por fundamentos como tolerância, solidariedade, respeito à vida e aos direitos individuais.

Como são ministradas as Oficinas de Cultura de Paz?

Além de permear no ensino de todas as disciplinas dos nossos cursos, uma vez que acreditamos em um aprendizado interdisciplinar, temos aulas específicas de "Cultura de Paz". Essas oficinas abordam temas como a degradação ambiental e atividades práticas onde podemos mudar a realidade do nosso entorno; saberes popular, científico e artístico como "inputs" para ideias e inovações no dia a dia, no desenvolvimento da auto-estima, auto-confiança e segurança do ser, na melhora do convívio familiar e social, no respeito ao próximo, na aceitação da diversidade, nas formas de diálogo, na ternura como paradigma de convivência, no perdão, aceitação do caráter mestiço das culturas, no laicismo, na não-vilência, na esperança, na felicidade.

Confira algumas fotos:




"

No mundo interativo, tudo é uma questão de conscientização, mobilização, educação, prevenção e informação de todos os níveis sociais em todos os países. A elaboração e o estabelecimento de uma cultura de paz requer profunda participação de todos, tendo como pano de fundo de qualquer mobilização a tolerância, a democracia e os direitos humanos – em outras palavras, a observância desses direitos e o respeito pelo próximo, valores caros para a cultura de paz. Em todo esse processo, cabe aos cidadãos organizarem-se e assumirem sua parcela de responsabilidade participando inteiramente no desenvolvimento de suas sociedades" (Cultura de paz: da reflexão à ação, UNESCO)

30 de mar de 2016

Frutos Alma Revelada

Como já postamos aqui algumas vezes, o ano de 2015 nos brindou com a oportunidade de formar a primeira turma de fotógrafos profissionais adultos de um dos projetos deste Instituto, o Alma Revelada.

Desde então, os alunos estão "dando frutos" e compartilhando com a sociedade os desdobramentos desse aprendizado.

Além da capacitação técnica para o mercado de trabalho, todos os nossos projetos contêm um elemento essencial, nossa marca registrada, que é a formação em Cultura de Paz.

Assim sendo, entre publicações e exposições, os verdadeiros resultados conquistados são aqueles que dizem respeito à transformação interior e à ampliação da consciência individual.
Como estes são mais difíceis de se compartilhar num blog, dividimos aqui com vocês a repercussão midiática da produção imagética desses artistas incipientes que estão revelando seus talentos para o mundo e para si mesmo. Entre nos links abaixo para conferir as reportagens:

Publicação Calendário 2016




Exposição Formandos

Visita Estúdio Araguari

3 de fev de 2016

Formandos do projeto social “Alma Revelada” expõem trabalhos no Center Shopping

De 1º a 28 de fevereiro, o público do Center Shopping poderá conferir o resultado do trabalho realizado pela projeto social “Alma Revelada”, realizado entre abril e dezembro de 2015 durante o curso de formação de fotógrafos. A exposição das imagens é aberta ao público e pode ser conferida no piso 2 do Center Shopping, próximo aos elevadores, das 10h às 22h.
O projeto ‘Alma Revelada’ é um curso de formação de fotógrafos realizado pelo Instituto Nelson Merola e o Ministério da Cultura, voltado para a comunidade de baixa renda em Uberlândia. Durante o curso são ministradas oficinas práticas de Fotografia, História da Arte, História da Fotografia, Apreciação Artística e Cultura de Paz.
O objetivo é capacitar profissionalmente e formar novos cidadãos a partir da união entre arte e desenvolvimento pessoal pelo viés da fotografia. Os alunos que cumprem todas as etapas do curso são certificados e presenteados com câmeras e equipamentos fotográficos como forma de incentivar o desenvolvimento e o início da carreira profissional.
FOTOS: Divulgação
Exposição fotográfica
Exposição fotográfica
Center Shopping recebe exposição de fotografias do projeto Alma Revelada 4

Mais ALMA REVELADA!



​
Center Shopping recebe exposição de fotografias do projeto
‘Alma Revelada’

Exposição fica em cartaz entre 1º e 28 de fevereiro no segundo piso do Center Shopping, próximo aos elevadores

O Center Shopping abre espaço para a apresentação de mais um projeto de inclusão social em Uberlândia e recebe, entre os dias 1º e 28 de fevereiro, uma exposição fotográfica produzida por alunos do projeto social ‘Alma Revelada’. As imagens da mostra foram registradas entre abril e dezembro de 2015 durante o curso de formação de fotógrafos do projeto ‘Alma Revelada’, que é voltado para pessoas carentes da comunidade. A exposição é aberta ao público com visitação gratuita e pode ser conferida no piso 2 do Shopping, próximo aos elevadores, das 10h às 22h.

O projeto ‘Alma Revelada’
O projeto ‘Alma Revelada’ é um curso de formação de fotógrafos realizado pelo Instituto Nelson Merola e o Ministério da Cultura, voltado para a comunidade de baixa renda em Uberlândia. Durante o curso são ministradas oficinas práticas de Fotografia, História da Arte, História da Fotografia, Apreciação Artística e Cultura de Paz.
O objetivo é capacitar profissionalmente e formar novos cidadãos a partir da união entre arte e desenvolvimento pessoal pelo viés da fotografia.  O curso é pautado na aplicação de conhecimentos transformadores, em princípios de tolerância, solidariedade, respeito à vida, à liberdade e aos direitos individuais. Ao final do curso, os alunos que cumprem todas as etapas de aprendizagem recebem certificado e são presenteados com câmeras e equipamentos fotográficos como forma de incentivar o desenvolvimento e o início da carreira profissional.

Serviço
Exposição de fotografias do projeto ‘Alma Revelada’ no Center Shopping
Data: de 1º a 28 de fevereiro
Local: no piso 2 do Center Shopping, próximo aos elevadores
Horários: todos os dias, das 10h às 22h
Evento aberto ao público com visitação gratuita.

EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA PROJETO ALMA REVELADA

6 de mai de 2015

ALMA REVELADA! Mais um Projeto patrocinado pela Maqnelson - Instituto Nelson Merola

Veja a mais recente matéria sobre nosso projeto Alma Revelada no Jornal Correio de Uberlândia

Projeto ‘Alma Revelada’ realiza oficinas de fotografia na periferia
por Carolina Monteiro 

A fotografia como pretexto para ver através. Por meio do projeto “Alma Revelada”, 25 adultos que vivem na periferia de Uberlândia são instigados a redescobrir o mundo por meio das lentes. Realizada desde abril até outubro deste ano, a iniciativa conjuga novos horizontes profissionais e desenvolvimento pessoal, por meio de aulas e workshops gratuitos. Ao fim do curso, os alunos participam de exposições itinerantes, na cidade e região, previstas para 2016. Aqueles que se comprometerem com todas as etapas do projeto vão ser premiados com uma câmera profissional, ação realizada em parceria com a Canon.
Idealizada pela psicóloga Camila Merola e coordenada pela historiadora Raquel Tibery, a iniciativa é um desdobramento do projeto “Olhar da Alma”, desenvolvido em 2012 e 2013, com o mesmo propósito, porém, com jovens com 12 a 17 anos. “Como aprovamos o projeto na Lei Rouanet, como contrapartida, oferecemos cursos para professores da rede pública de ensino. Foi ali que surgiu a ideia de estender a ação ao público com idade acima de 18 anos”, disse Raquel Tibery.
A coordenadora da oficina de fotografia, Raquel Tibery, acredita que o projeto auxilia a formação por Segundo a coordenadora do projeto, a intenção é formar os alunos no campo da cultura de paz, além de desenvolvê-los pessoalmente, o que se faz a partir de uma formação artística que tem a fotografia como guia. Nesse sentido, enquanto 50% das aulas são voltadas para o desenvolvimento da técnica, 25% versam sobre história da fotografia e da arte e outros 25% sobre valores humanos, a partir da filosofia e neuropsicologia, especializações de Camila Merola, que conduz esta etapa. Os alunos participam de duas aulas de quatro horas por semana e de um workshop por mês, com profissionais de diferentes áreas.
Segundo Raquel Tibery, a iniciativa também tem importância como opção profissional. Da última turma, 25% dos jovens formados estão atuando na área. “Isso fez com que fôssemos procurados por muitos pais de alunos interessados no curso, pessoas querendo mudar a vida, visando o futuro profissional. Recebemos 100 inscrições, para 20 vagas, nesta edição”, disse Raquel. A alternativa encontrada para atender o maior foi oferecer cinco vagas para alunos ouvintes. No fim do curso, além do instrumento de trabalho, os alunos recebem um certificado reconhecido pelo Governo Federal, por meio do Ministério da Cultura.
As atividades de formação do “Alma Revelada” acontecem às segundas-feiras e sábados, na Sociedade Eunice Weaver, no bairro Lagoinha, espaços historicamente marcados pela exclusão, segundo Raquel Tibery. Para viabilizar a participação dos alunos, que são de diversos bairros e da zona rural da cidade, o projeto oferece vale transporte e lanche aos aprendizes.
Os candidatos selecionados passaram por um processo seletivo de dois dias, com questionário socioeconômico e cultural, entrevista com psicóloga e coordenadora pedagógica.

http://www.correiodeuberlandia.com.br/projeto-alma-revelada-realiza-oficinas-de-fotografia-na-periferia/

20 de abr de 2015

Projeto InterAção 2º semestre 2015!!

            A Feira de Talentos Não Explorados é um projeto de fomento às realizações pessoais. Consiste em encontrar pessoas que por desígnios outros não puderam realizar seus sonhos. A partir de então, ministrar oficinas e cursos relacionados à vontade de cada participante e ao final do processo, organizar uma Mostra Cultural desses Talentos.


Para tal, os alunos foram orientados a estruturar um projeto de trabalho a partir de um cronograma de ações. O primeiro passo para a realização da Feira foi obter inscrições do público interessado em participar da mesma. Então nos perguntamos: Onde estaria este público? Em qualquer lugar! Assim, elegemos 4 ambientes a serem visitados: praças públicas, o asilo, a ala psiquiátrica de um hospital público e os moradores de ruas onde quer que eles estejam! 

15 de abr de 2015

Terceira Turma Projeto InterAção!!!

Acompanhando a proposta pedagógica, o curso  iniciou com foco em atividades que buscam auto conhecimento, integração, comunicação e conscientização. Desta forma permitiu-se conhecer os participantes com mais clareza, com a finalidade de evidenciar talentos, habilidades, dificuldades, medos, dentre outras características. A meditação e a neurolinguística fazem parte do cotidiano das aulas permitindo assim explorar a cognição de uma maneira diferenciada.
No primeiro semestre, aproveitando o cenário de “Eleições Políticas” foram abordadas temáticas relativas à estrutura política do país como candidatos e candidaturas, legislação eleitoral, debates, hierarquia política, poderes públicos e histórico político com objetivo de esclarecer e exercitar a Cidadania, nossos direitos e deveres.
Ao fim desta etapa iniciou-se o processo de estímulo à concepção de projetos, processo este que se inicia pela conscientização da realidade brasileira atual, indignação, e estimulo para mudança, já que somos responsáveis, agentes, cidadãos. Através de textos, vídeos e debates motivadores buscamos direcionar sentimentos de indignação política, desamparo social e descaso ambiental para possíveis ações voltadas para meios próximos à realidade dos participantes. Dentre várias sugestões, os participantes elegeram uma Feira de Talentos Não Explorados a ser realizada no semestre seguinte!






23 de mai de 2014

'Sentindo na Pele': Alunos do projeto InterAção criam vídeo mostrando problemas de acessibilidade em Araguari

Com este vídeo os alunos tem o objetivo de mostrar à população quais são as dificuldades enfrentadas diariamente pelos cadeirantes em Araguari, e também chamar a atenção das autoridades para que medidas efetivas sejam tomadas para atendê-los.
Assista à esta produção dos alunos do projeto InteRação, que faz parte do Instituto Nelson Merola:

19 de mai de 2014

A segunda turma do Projeto InterAção oferece o curso Aprendizado em Mecânica de Máquinas Agrícolas, e também conta com a participação semanal de três educadores do Grupo Faz de Conta: Angie Mendonça, Camila Merola e Vinício Coeli. Eles  desenvolvem um trabalho com os alunos tendo como referência três eixos: AMBIENTAL, ARTÍSTICO E SOCIAL.

O EIXO AMBIENTAL aborda temáticas relacionadas à Ecologia Humana, mostrando como o ser humano utiliza o meio ambiente e quais são as consequências desta exploração. Aspectos relacionados à extração de matéria prima, formas de beneficiamento, processos produtivos, qualidade de vida, economia de mercado e descarte de materiais estão presentes durante todo o curso como conceitos fomentadores.

 
Dentro desta perspectiva, o grupo propõe a melhoria da gestão e conscientização a respeito do descarte de lixo na sede do SENAI Araguari, buscando conscientizar e estimular a prática dos funcionários, professores e alunos. Mais um foco do grupo está sendo a destinação adequada dos resíduos de madeira da sede da Maqnelson em Araguari. Outra atividade proposta foi a coleta ativa, onde o grupo realiza um evento de coleta de lixo concomitante com ações educativas em locais de acúmulo indevido de lixo. Como forma de angariar fundos para a Casa do Caminho e para outras ações a serem realizadas,o grupo está organizando uma MACARRONADA BENEFICENTE que acontecerá dia 01/06. Esta ação é também um exercício da economia solidária e ajuda ao próximo

O EIXO ARTÍSTICO ampara a possibilidade dos alunos de se redescobrirem através da arte. Dentro desta proposta, os discentes escolheram se expressar através do teatro para tratar de um assunto delicado entre um público de idade similar: a violência física e verbal entre estudantes, o pré-conceito sofrido dentro da escola que pode causar traumas elencados por toda a vida – o famoso bullying.
 
O espetáculo que está sendo montado durante as aulas já tende pelo título de “Pedro, você tá aí?” e será apresentado em escolas públicas de ensino fundamental e médio, como também em praças e espaços públicos. Para além do bullying, essa peça levanta questões a cerca do uso inconsciente das redes sociais e os prejuízos que podem acarretar no desenvolvimento do adolescente.

Entre outras, foi proposta a atividade “Seguir e ser seguido, ver e ser visto” que instiga os alunos a se deslocarem pelo espaço ao comando de um mestre que revezava entre eles. As possibilidades de locomoção já tinham sido trabalhadas em sala de aula quando fomos ocupar as ruas de Araguari.




 Mais que conscientizar sobre o corpo, o movimento e o espaço, saber revezar o comando do jogo, ativar o campo energético, expandir a concentração coletiva, os estudantes se colocaram em situações de exposição para transeuntes, e souberam romper com fortes traços de insegurança e timidez, portando-se altivos e confiantes do seu espaço no mundo: fortes, grandes e potentes, nem melhores, nem piores que ninguém.



 O EIXO SOCIAL, assim como todo o trabalho realizado independentemente das divisões grupais, trabalha a conscientização e exercício da nossa identidade enquanto seres interdependentes, ligados entre si e responsáveis uns pelos outros. Os alunos que escolheram fazer parte deste eixo demonstraram interesse por continuar auxiliando a Instituição Casa do Caminho, atividade que foi iniciada pelo primeiro grupo do Projeto InterAção, e durante as aulas e discussões fomentadas mostraram-se fortemente sensibilizados pela qualidade de vida diária das pessoas que apresentam alguma deficiência física e utilizam a cadeira de rodas, os “cadeirantes”. Através de uma extensa pesquisa, visitamos locais, vias e transporte públicos, bancos, cartórios e estabelecimentos de lazer, quando concluímos que estes não cumpriam o que exige a lei: acessibilidade à todas as pessoas. Os alunos experimentaram esta vivência na pele, tentando locomover-se pela cidade utilizando a cadeira de rodas e se indignaram com a falta a inadequação do acesso em Araguari, o que prejudica de forma importante a qualidade de vida dos cadeirantes. Entrevistamos alguns deles, cujos depoimentos nos comoveram e nos estimularam a fazer um vídeo-denuncia o qual será divulgado nas mídias da cidade e levado à Prefeitura de Araguari como forma de exigir o que está proposto por lei: a liberdade de ir e vir, direito de todos nós.




















Os três eixos apresentam um resultado em comum: permite perceber a transformação nos educadores e cada um dos alunos, que ao se colocar no lugar do outro, através da intenção de ajudar, amplia e aprofunda o verdadeiro sentido da vida!

30 de jan de 2014

Descobrindo nossas e outras limitações

A partir da intenção de nos conscientizarmos sobre nossas diferenças enquanto seres humanos, a necessidade de respeita-las  e valorizar nossas  habilidades, propusemos que todos os alunos experimentassem alguma limitação física.


Alguns usaram venda nos olhos para simular dificuldade visual, outros tiveram um braço ou perna atados a fim de sentirem as dificuldades de locomoção, além das limitações de fala e audição etc.



Os alunos se locomoveram pelo bairro e um grupo visitou a Instituição CASA DO CAMINHO onde vivem 70 crianças e adolescentes  com deficiência motora e mental grave.


Ao final da atividade, cada um  falou sobre a oportunidade deste processo de conscientização. Escolheram um sentimento que consideravam necessário ser cultivado e com esta ênfase, plantaram uma hortaliça para cuidar durante todo o curso, símbolo também do cuidado consigo mesmo.


29 de jan de 2014

Autoconhecimento e respeito mútuo


Para o Projeto InterAção, e seu processo de Educação é essencial o diálogo e exercício constante da cooperação e relação de respeito mútuo, que começa dentro deste grupo e através de cada integrante pode se expandir por suas família, amigos, pela cidade e todo o planeta.



Respeitar significa aceitar a individualidade de cada um, sua forma de expressão e sua aparência, sua origem, suas escolhas e opiniões, seus limites e sentimentos. Respeitar não implica em concordar com o outro ou elogiar qualquer tipo de conduta, mas em não desqualificar, menosprezar, ridicularizar ou impor opiniões.



O respeito por si mesmo e pelo outro acontece quando se adquire consciência de que essencialmente somos iguais, temos o mesmo valor. Ninguém é melhor ou pior que ninguém, assim os vínculos são estabelecidos e limites são preestabelecidos. Ele não brota rapidamente. É como uma planta que precisa ser posta em solo fértil, regada e cuidada para que floresça e dê frutos.